12/3/2015 12h39
Alcoolismo é um dos maiores responsáveis por pedidos de afastamento em São Paulo
E-mail
De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o consumo de álcool no Brasil supera a média mundial e apresenta taxas superiores às de mais de 140 países. A bebida cria dependência e pode levar ao desenvolvimento de outras 200 doenças. Segundo dados divulgados recentemente pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), São Paulo foi o Estado que registrou em 2013 o maior número de pedidos de afastamento em decorrência das enfermidades causadas pelo álcool, com 4.375 auxílios-doença concedidos. Gastrite, cirrose hepática (que pode evoluir para câncer), impotência sexual ou infertilidade, infarto, trombose e demência são algumas das doenças relacionadas ao álcool. Considerado pela OMS como uma verdadeira epidemia, o alcoolismo e suas consequências são a terceira causa de mortes no mundo, atrás somente do câncer e das doenças cardíacas. Angela Nogueira Braga da Silva, coordenadora do setor de Serviço Social do Seconci-SP, destaca que houve um avanço recente na abordagem do tema: a percepção de que álcool é droga hoje é uma realidade. Mas, ainda assim, muitas vezes os trabalhadores não percebem que abusam da bebida alcoólica. Além de aumentar o risco de acidentes de trabalho, esse hábito pode causar instabilidade emocional e, consequentemente, gerar violência, e também provocar quadros de nervosismo e depressão. Entre as atividades realizadas pelo Seconci-SP no sentido de alertar os trabalhadores da construção para os perigos do consumo excessivo de álcool estão palestras nos canteiros de obra e orientação por meio de seu setor de Serviço Social. O Seconci-SP mantém ainda dois Grupos Sociais de Apoio, um voltado a depressão, ansiedade e compulsão, e outro específico para dependentes químicos. “Os alcoólicos são bem-vindos nos dois grupos”, explica Angela. “Uma equipe multidisciplinar com psiquiatra, nutricionista, psicóloga e assistente social recebe e faz o acompanhamento desses pacientes”.