6/10/2015 18h41
Aumenta a demanda pelo Programa de Conservação Auditiva do Seconci-SP
E-mail

Cerca de 360 milhões de pessoas no mundo sofrem com alguma perda auditiva, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), e metade dos casos poderia ser evitada por meio de simples práticas de prevenção. O hábito mais perigoso é o uso de fones de ouvido com volume alto, que causa lesões irreversíveis, outra preocupação são os locais de trabalho com muito barulho. Com a proposta de contribuir para que as empresas criem ações voltadas aos trabalhadores expostos a altos níveis de ruído, o Seconci-SP oferece o Programa de Conservação Auditiva (PCA), serviço cuja procura registrou expressivo aumento no primeiro trimestre do ano.

O PCA oferecido pela entidade é especializado para a realidade do canteiro de obras, ambiente que concentra máquinas e equipamentos muito ruidosos, como serras elétricas e britadeiras. A implantação do programa colabora para que as empresas do setor estejam de acordo com as obrigações legais, conforme as Normas Regulamentadoras 7, 9 e 15 e a Portaria 19 do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), além da ordem de Serviço 608/91 do INSS (Instituto Nacional de Seguridade Social).

"Quando a exposição a sons altos é constante, não há tempo para o ouvido se recuperar e a lesão se torna permanente, causando a perda auditiva irreversível. Isso acontece porque, diferentemente de outros órgãos, as células ciliadas do ouvido não se regeneram e deixam de enviar estímulo ao cérebro. Consequentemente, há a diminuição da audição", explica a gerente médica ocupacional do Seconci-SP, Dra. Xiomara Salvetti.

O serviço realizado pelo Seconci- SP começa com a realização de audiometria em todos os funcionários expostos ao ruído com o objetivo de identificar se há perda auditiva e qual o tipo de perda. Certos casos não são decorrentes do ruído e, sim, de outras causas e necessitam da avaliação de um otorrinolaringologista.

A análise completa envolve médicos, engenheiros e fonoaudiólogos. A partir daí, é apresentado um controle audiométrico criterioso, que vai nortear as ações a serem adotadas.

"Os sintomas não são bruscos, porém progressivos, como zumbido, perda de audição, tonturas, sensação de pressão no ouvido e impressão de escutar, mas não entender o que foi dito. Estes são alguns indícios de que a saúde auditiva deve ser investigada por um especialista", conclui a médica.

Serviço: Para ter acesso ao serviço, as empresas podem entrar em contato com o setor de Relações Empresariais - (11) 3664-5844 / relacoesempresariais@seconci-sp.org.br.