2/25/2015 15h34
Calor elevado e escassez de água inspiram cuidados nos canteiros
E-mail
Diante do extremo calor e da escassez de água vivenciados neste verão no Estado de São Paulo, o Seconci-SP (Serviço Social da Construção), entidade de responsabilidade social da construção paulista, alerta para os cuidados que precisam ser tomados nos canteiros de obras, com o intuito de preservar a saúde do trabalhador. Levantamento da Secretaria de Estado da Saúde aponta que vêm ocorrendo, em média, 25 casos de desidratação por dia na capital paulista. Durante verões muito quentes como o atual, o número de casos aumenta e o problema tende a se agravar. “Sede, olhos fundos, boca seca, redução do suor, dor de cabeça, tontura, fraqueza, aumento da frequência cardíaca são sintomas clássicos. Em estágios mais avançados, podem ocorrer queda da pressão, convulsões e choque, levando até à morte”, explica a gerente Médica Ocupacional do Seconci-SP, Dra. Xiomara Salvetti. Além da hidratação, há também a preocupação com o coração. Pesquisa feita pela Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp) mostra que quando os termômetros ficam acima dos 24 graus Celsius, os casos de mortes por infarto sobem 11%. A menor taxa registrada foi obtida com o ambiente entre 20 e 21 graus. O suor em excesso promove a concentração de colesterol, a queda da pressão e deixa o sangue mais denso, condições ideais para a ocorrência de infarto e acidente vascular cerebral. O calor e a baixa umidade do ar são responsáveis também pelo aumento dos casos de problemas respiratórios. “Quem sofre de rinite, asma e bronquite pode ter o quadro agravado e precisa de um cuidado maior nesse período. Uma medida simples e eficiente é borrifar soro fisiológico nas narinas diversas vezes ao dia”, esclarece a profissional. Prevenção Uma lista de medidas preventivas foi elaborada pela Dra. Xiomara, a seguir:
  • Usar uniformes de algodão e cores claras, com mangas. Esse tipo de tecido facilita o mecanismo de evaporação, pois absorve rapidamente a água, auxiliando o controle do equilíbrio térmico.
  • Usar capacete com protetor de nuca, não se expor durante o período de descanso, aplicar o protetor solar 30 minutos antes do início da exposição ao sol e reaplicar a cada 2 horas.
  • Beber de 2 a 3 litros de água por dia ajuda a minimizar os impactos das altas temperaturas e a baixa umidade.
Crise hídrica Em meio à crise hídrica instalada em São Paulo, o Seconci-SP tem orientado as empresas associadas quanto à qualidade da água oferecida para consumo humano. Dúvidas frequentes surgem sobre a água de reúso e o aproveitamento das águas da chuva para beber. A água de reúso é uma água não tratada e, portanto, não potável. Também não se recomenda o aproveitamento da água da chuva para consumo humano. Em cidades grandes, a chuva pode ter vários contaminantes. Porém, ambas podem ser usadas para outros fins como limpeza das áreas comuns e descargas sanitárias.