11/3/2015 12h29
Editorial
E-mail
Depois de uma década de crescimento, a indústria da construção está sofrendo diretamente os efeitos da crise. Neste ano, estima-se que mais de meio milhão de trabalhadores do setor terão perdido seus empregos em todo o país. Abaladas pela queda da demanda, as construtoras lutam pela sobrevivência com equipes enxutas e recursos escassos. Esforçam-se em aumentar a produtividade, revendo custos, gestão e processos construtivos. Infelizmente, a rápida e ampla deterioração da atividade econômica em um quadro de desequilíbrio das contas públicas, inflação alta e crise política sinaliza que a construção ainda enfrentará tempos difíceis por um período indeterminado. Neste cenário, a saúde e a segurança do trabalho tornam-se indispensáveis. São elementos estratégicos para o bem-estar e a motivação dos trabalhadores. Sem saúde e segurança do trabalho, as empresas apresentam baixo desempenho e não atingem a produtividade almejada. Há 51 anos, o Seconci-SP cuida do trabalhador da construção e de seus familiares. A crise que abalou o setor reforçou a responsabilidade da entidade em colaborar decisivamente para que as construtoras cumpram as normas de saúde e segurança do trabalho. Com 13 unidades na capital e no interior do Estado de São Paulo, o Seconci-SP oferece amplo atendimento médico e odontológico, exames laboratoriais e assistência social aos trabalhadores. As construtoras também podem contar com os serviços da entidade para a elaboração dos programas de saúde e segurança do trabalho, cursos e treinamentos voltados ao atendimento das Normas Regulamentadoras. O Dia do Trabalhador da Construção Civil, comemorado em 26 de outubro, proporciona uma oportunidade para que as empresas e seus colaboradores reforcem os cuidados com a saúde e segurança do trabalho. Para tanto, podem contar com a nossa sólida e inabalável parceria. Sergio Porto Presidente do Seconci-SP