7/10/2014 20h21
Pesquisa mostra que saúde bucal dos trabalhadores da construção melhora, mas ainda inspira cuidados
E-mail
Os cuidados com a saúde bucal foram tema da mais recente pesquisa realizada pelo Seconci-SP. O estudo foi feito durante uma ação que atingiu 560 trabalhadores de sete diferentes canteiros de obras da cidade de São Paulo. Entre os resultados, constatou-se que a maioria dos participantes tem qualidade de higiene oral regular, contabilizando 58,05%. “Esse público apresenta problemas bucais relevantes, que podem culminar em urgências odontológicas que impactam na qualidade de vida, na produtividade e, eventualmente, causam absenteísmo. Em alguns casos, chegam até a comprometer os relacionamentos sociais”, explica Jefferson Podestá Brandão, dentista e gerente de Odontologia do Seconci-SP. “Vale a pena ressaltar, porém, que esse quadro já apresenta uma evolução em relação à situação de alguns anos atrás.” As avaliações clínicas foram realizadas para identificar os principais problemas que acometem a boca dos trabalhadores da construção civil. Os participantes da pesquisa apresentaram uma média de 2,6 dentes cariados, menos de um dente (0,55) com necessidade de extração, 4,75 dentes ausentes e 3,65 obturados. Mais da metade da amostra (52,05%) tinha necessidade de prótese dentária, sendo que essa proporção aumenta com a faixa etária e chega a 100% do total naqueles com idade superior a 59 anos. “Para manter a saúde bucal em dia, é essencial conhecer a técnica de escovação, usar corretamente o fio dental e ter hábitos alimentares saudáveis. Além disso, é preciso que no ambiente de trabalho tenha um local acessível e próprio para que os trabalhadores possam guardar suas escovas de dente”, completa Brandão. Do total da amostra utilizada, 96,2% são do sexo masculino e dois terços visitaram o dentista nos dois últimos anos. Na distribuição por cargo/função, as mais declaradas foram ajudante (116), pedreiro (62) e eletricista (44).