6/19/2018 0h0
Previna-se contra a asma
E-mail

No inverno, previna-se contra a asma
O inverno inicia-se em 21 de junho, também Dia Nacional de Combate à Asma. A doença atinge de 10% a 25% da população brasileira e causa mais de 2 mil óbitos por ano, segundo o SUS. Portanto, é preciso redobrar os cuidados para evitar resfriados e outras infecções virais, recomenda a dra. Marice Ashidani, pneumologista do Seconci-SP.
    “Trata-se de enfermidade crônica muito comum, de natureza inflamatória e com influência genética, e que sofre influência de fatores ambientais como poeira domiciliar, fungos, mofo, poluição, fumaça de cigarro e ar frio, que provocam a reação inflamatória nas vias respiratórias”, explica a médica.
    Os sintomas mais frequentes – falta de ar, tosse e chiado no peito – podem surgir de forma inesperada e ter início em qualquer idade, comenta o dr. Horácio Cardoso Salles, gerente de Medicina Ambulatorial do Seconci-SP. “Eles aparecem após a exposição ao frio, fumaça, poeira, fungos e fortes odores, sendo mais frequentes à noite, devido à queda de temperatura”, relata o médico. 
    O diagnóstico é feito mediante avaliação dos sintomas e exames como raio-x de tórax e espirometria, disponíveis no Seconci-SP. O tratamento pode ser feito com broncodilatadores, para amenizar os sintomas, ou preventivo, com uso contínuo de medicamentos. “Também é preciso evitar carpetes em casa e não dormir ao lado de animais de estimação”, recomenda a dra. Marice.
    Apesar de não ter cura, a asma pode ser controlada. Por isso, o objetivo do tratamento está em manter o quadro estável, para que o asmático tenha vida normal e as crises se tornem cada vez mais espaçadas. Quando malcuidada, a asma pode evoluir para perda funcional da parte respiratória ou até levar a óbito.
    “O apoio da família tem papel fundamental, uma vez que a adesão ao tratamento e a compreensão da doença pelo paciente são os principais desafios. Os remédios de prevenção devem ser tomados mesmo nas épocas em que as crises não se manifestam”, enfatiza o dr. Salles.
    Os colaboradores da construção civil asmáticos devem usar os equipamentos de proteção individual adequados, para preservá-los da poeira das obras, e fazer um acompanhamento médico regular. “Com disciplina e cuidados é possível levar uma vida normal”, garante a dra. Marice.