5/25/2021 0h0
Saúde digestiva
E-mail

Alimentação rica em fibras contribui para a saúde digestiva

O Dia Mundial da Saúde Digestiva (29 de maio) foi instituído pela Organização Mundial de Gastroenterologia para mobilizar e orientar a população sobre a importância da prevenção e diagnóstico precoce de doenças do aparelho digestivo. Segundo a Organização, 20% da população global sofrem algum tipo de problema intestinal e 90% das pessoas não procuram orientação médica, recorrendo à automedicação ou não fazem nada para resolver o problema. O gastroenterologista do Seconci-SP, dr. Moacir Augusto Dias, afirma que uma alimentação rica em fibras contribui para o bom funcionamento do sistema digestivo.

Uma alimentação saudável começa pela escolha do local, onde serão feitas as principais refeições. “O recomendado é buscar um lugar tranquilo, não comer assistindo televisão e não se alimentar com pressa, pois isso vai comprometer a mastigação, que é o início da digestão. O ideal também é não beber líquido durante a refeição, pois dilui o suco gástrico, o que irá dificultar a digestão. E, principalmente, não beber refrigerante, pois os gases da bebida distendem o estômago”, explica o médico.

Uma alimentação rica em fibras contribui para o aumento da saciedade, para a diminuição dos índices de colesterol, controla o diabetes, regula o intestino e evita o aparecimento de doenças diverticulares, mais prevalente em pessoas acima dos 60 anos. Outro ganho é que as fibras solúveis amolecem as fezes, evitando hemorroida e fissura anal.

Alimentos recomendados

No grupo das fibras solúveis estão a aveia, soja, lentilha, mandioca, beterraba, ervilha, cenoura, maçã e as frutas cítricas, como laranja, abacaxi e limão. No grupo dos alimentos ricos em fibras insolúveis estão o feijão, milho, abóbora, verduras folhosas, farelo de trigo, pão integral, cereais inteiros e as cascas de frutas, que devem ser incorporadas aos sucos e vitaminas.

“O consumo frequente de alimentos industrializados, que têm grandes concentrações de conservantes, sal e açúcar, compromete a saúde digestiva, assim como a ingestão de antibióticos por longos períodos, pois afeta a microbiota do intestino. O tabagismo e as bebidas alcoólicas também são fatores prejudiciais. Esses dois hábitos são a principal causa de câncer de esôfago”, alerta o dr. Dias.

As principais doenças do aparelho digestivo são a gastrite, úlcera, doença do refluxo, intolerância à lactose, doenças inflamatórias intestinais e o câncer. “Entre os sinais de alarme estão irritações frequentes no estômago, queimação, refluxo, dor no abdômen, em especial do lado esquerdo; alteração do hábito intestinal (diarreia ou intestino preso), emagrecimento repentino e anemia. Esses sintomas recomendam uma visita ao médico, para consulta e exames.”

A carga genética é um componente importante no aparecimento de doenças do trato digestivo. O dr. Dias cita o caso da polipose familiar, o aparecimento de pólipos no cólon, benignos ou malignos. “Para essa doença, o recomendado o rastreamento de todos os membros da família, independentemente da idade. Fora esse caso excepcional, a recomendação é fazer colonoscopia a partir dos 45 anos. Na impossibilidade, realizar ao menos o exame de pesquisa de sangue oculto nas fezes. Se o resultado da colonoscopia for normal, essa prática pode ser repetida a cada 5 anos. Mas diante de alguma alteração, o médico irá avaliar a frequência necessária”.

“Evitar o sobrepeso, o consumo de álcool e cigarro, manter uma alimentação diversificada, privilegiando os alimentos integrais e deixando de lado os industrializados e a prática diária de 30 minutos de exercícios físicos são a chave para manter a saúde digestiva.”